- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu lembro-me de ti, Lisboa

Hélder Moutinho / Alfredo Duarte *alexandrino, lembro-me de ti* 
Repertório de Hélder Moutinho 

Quando te vejo nascer nas asas da madrugada
Dos ecos da solidão nos ombros da noite escura
Vejo o teu amanhecer numa estrada iluminada
E sinto o meu coração, e sinto a tua ternura

Quando te vejo sorrir como se fosses antiga
Ou talvez uma andorinha cansada de ver o mar
Vejo o teu olhar surgir nos braços duma cantiga
Cantiga que se avizinha aos cantos do meu cantar

Quando te vejo partir como se fosses princesa
Vestida de noite escura, despida de solidão
Vejo a saudade a florir no jardim da incerteza
E sinto a tua ternura, e sinto o teu coração

Lisboa das madrugadas, gaivota dos meus amores
Avenida da saudade, terreiro da minha paixão
Janelas enfeitiçadas enfeitadas com mil flores
E sinto a tua verdade, e sinto o teu coração