- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Degraus da vida

Moisés Campelo / Mário Lopes 
Repertório de Francisco Martinho 

Sobre os degraus desta vida / Andavas como perdida 
Em busca duma afeição 
E eu, mulher, resolvi  / Talvez com pena de ti 
Levar-te p'la minha mão 

Depois amei-te e tão louco / Fiz-te esquecer pouco a pouco 
As horas más que passaste 
E pelo meu braço forte / Subiste os degraus da sorte 
Mas logo me abandonaste 

Esses degraus que subiste à minha custa 
Foram a prova mais justa 
Do meu amor, podes crer 
Esses degraus, não te queiras iludir 
Tanto servem p'ra subir 
Como servem p'ra descer 

Na vida há certos degraus / Que são falsos, que são maus
E tu tens que os pisar 
Por isso toma cuidado / Que já não tens a teu lado 
Meus braços p’ra te amparar 

Mas se algum dia voltares / A caír... e me encontrares 
Não temas o meu rancor 
Volta que eu ainda sou / O mesmo que te encontrou
E te ofereceu seu amor