- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Degraus da vida

Moisés Campelo / Mário Lopes
Repertório de Francisco Martinho

Sobe os degraus desta vida andavas como perdida
Em busca duma afeição
E eu, mulher, resolvi, talvez com pena de ti
Levar-te pla minha mão

Depois amei-te e tão louco, fiz-te esquecer pouco a pouco
As horas más que passaste
E pelo meu braço forte subiste os degraus da sorte
Mas logo me abandonaste

Esses degraus que subiste a minha custa
Foram a prova mais justa
Do meu amor, podes crer
Esses degraus, não te queiras iludir
Tanto servem para subir
Como servem para descer

Na vida há certos degraus, que são falsos que são maus

E tu tens que os pisar
Por isso toma cuidado, que já não tens a teu lado
Meus braços p’ra te amparar

Mas se algum dia voltares a caír, e me encontrares
Não temas o meu rancor
Volta que eu ainda sou o mesmo que te encontrou
E te ofereceu seu amor