- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Zé do bote

João Dias / Mário Moniz Pereira
Repertório de Carlos do Carmo 

Zé do bote, Zé do bote
Tu que conheces o rio
Na calma e no desvario

Como as tuas próprias mãos
Diz-me lá, ó Zé do bote

Quantas ondas tem a sorte
Quantas dores tem um pão

Quantos sustos tem a morte 

Ó Zé do bote no trabalho pedes meças
Desde migalho de gente s
e o pão é duro e salgado
Não encalhes o teu bote n
o areal das promessas
Pois, Zé do bote, q
uem o teu rio não sente
Não pode estar do teu lado; puxa as redes com cuidado

Zé do bote, Zé do bote 

Não aprendeste nos livros
A manejar as palavras
Dos que te evndem o peixe

E o sangue quente e vivo
Mas sabes do rio que lavras

Na quilha do teu arado
Teu corpo útil não deixes

Ser na lota arrematado