- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fato de ganga

José Rodrigues dos Santos / Miguel Ramos *fado margaridas*
Repertório de Tony Lopes

Não digas a ninguém, que te deixei
Por ser mau ou cruel para contigo
Diz antes que te deixei porque achei
Que não servias p'ra viver comigo

Olha que figura tão engraçada
Se um dia eu saísse á rua, a teu lado
Tu de seda vestida e bem pintada
E eu de fato de ganga remendado

Não pude suportar os teus queixumes
Por isso mandei-te embora e com razão
Gastavas mais em sedas e perfumes
Que aquilo que eu ganhava para pão

Eras bonita, não digo o contrário
Mas beleza para mim não me servia
Mulher assim, não serve para operário
Que luta pelo pão de cada dia

Arranjei outra que não é tão linda
Mas lá por isso, a gente não se zanga
Porque essa, veste chita e não se pinta
E dá-se melhor com o meu fato de ganga