- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cidade garrida

Fernando Peres / Jorge Barradas
Repertório de Beatriz da Conceição

Lisboa, os bairros a teus pés
Dão forma ao que tu és / Mulher feita cidade
Lisboa, poema do passado
Nas rimas do meu fado / Com alma de saudade

É sina tua / Saber ser contente
E vens p’ra rua / Só p’ra vires c’oa gente
Balão aceso pela tradição
Bem preso, junto ao coração

Cidade garrida
És a melhor verdade para cantares a vida
Com benção de lua
Tens alma e coração de rua

Lisboa, tens sons de sinfonia
E gritos de alegrian / Promessas de verdade
Lisboa, janela aberta á vida
Numa esperança perdida / Só p’ra fazer saudade

É sina tua / Querer andar contente
E vens p’ra rua / P’ra cantar c’oa gente
Balão aceso pela tradição
Bem preso, junto ao coração