- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquela rua

Linhares Barbosa / Jaime Santos
Repertório de Amália

Não me fales dessa rua, a rua
Que p'ra mim foi a mais linda, ainda
Sim, prefiro que te cales
Fala-me das horas de hoje, do passado não me fales

Nesse tempo de quimera, eu era
Como simples açucena pequena
Pura como a luz da lua
Era a menina bonita do princípio ao fim da rua

Bibe azul aos quadradinhos, fitas e laços de ir p'ra escola
Hoje sigo outros caminhos, fiz dos teus braços uma gaiola

Canções alegres que eu tinha
Que eram da moda, só sei cantar
Olha a triste viuvinha
Que anda na roda e anda a chorar

Era irmã daquela fonte defronte
Aprendi a tagarela com ela
Tudo na vida mudou
Porque um dia tu passaste, passaste e a fonte secou

Meu cantarinho de barro bizarro
Fosse lá pelo que fosse, quebrou-se
Passaste a chamar-me tua
Desde então não mais pisei as pedras daquela rua