- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Valsa dos amantes

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório do autor

Há um sorriso pequeno nos lábios que amei
Faz tempo que te não via e ao ver-te pensei
Estás mudada... estou mudado
E dos jovens que um dia se amaram nasceu este fado

Há um sorriso pequeno no homem que eu sou
Iniciámos o amor quando o amor nos chegou
Não me esqueço... não te esqueças
Que inocentes escondidos escondemos o amor feito ás pressas

Não penses que te vejo como outrora
A vida esgota a vida, hora a hora
O tempo gasta o tempo e marca a gente
A espelho mostra como eu estou diferente
Não estou novo... não sou novo
Mas não peças que a vida te apague do fundo de mim

Há um sorriso pequeno nos olhos dos dois
Há uma dúvida triste que existe e depois
Fico á espera... estás á espera
Mas a voz não se atreve e uma lágrima em mim desespera