- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

António Batista

José Luís Gordo / Fontes Rocha
Gravação de José Manuel Barreto
Repertório de João Braga


A noite era breu de medos tamanhos
Só ele e o céu em terra de estranhos;
Os olhos cansados pesavam saudades
Coração nas mãos batendo ansiedades;
O Burro carregado, a fronteira á vista
E o medo agarrado ao contabandista

António Batista

Foi contrabandista / Em terras de Espanha
Desde peque
nino
Conhece o caminho / E o frio que se apanha
Veredas estreitas

Os olhos á espreita / Á espreita do perigo
António lá ia / Naquela agonia

Dum guarda escondido
Ai valha-me Deus, dizia baixinho
Tão grandes os céus, tão longo o caminho;
Dormia em segredo á beira dum rio
E a manta do manta do medo tapava-lhe o frio;
Vestia a coragem de quem vai morrer
Ao passar a fronteira que o vira nascer