- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um fado a Marceneiro

Fernando Farinha / Francisco Carvalhinho
Repertório de Fernando Farinha 

À solta e desvairada, a morte certo dia
Entrou no velho pátio e ali quase em segredo
Num golpe traiçoeiro de raiva e cobardia
Maldosa nos levou p'ra sempre o Tio Alfredo

Ao chorar das guitarras, como se fosse um hino
Juntou-se a voz do povo, de Portugal inteiro
Tinha morrido o rei, fadista genuíno
O mais de todos nós, o grande Marceneiro

Sua garganta rouca, tinha o condão o bem
De nos dar fado a sério, sem ais, sem fantasia
Se o fado p'ra ser fado, algum segredo tem
Então esse segredo só ele o conhecia

Sempre que a noite chega, eu julgo ainda vê-lo
Fazendo a sua ronda p'los retiros do fado
De boné, ou mostrando o seu farto cabelo
E o seu lenço varino ao pescoço ajustado

Recordo as suas birras, e em grande cavaqueira
Seus gritos graciosos, se bem disposto estava
Oiço até o seu riso no Cacau da Ribeira
Onde, já madrugada, sua ronda findava

De Alfredo Marceneiro eu guardo um disco antigo
E um retrato dos dois sobre um fundo bairrista
Um fado ao desafio que ele cantou comigo
E uma eterna saudade desse enorme fadista