- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Minha mãe é pobrezinha

Mote popular / Glosa de Linhares Barbosa / Popular *fado corrido*
Repertório de Fernando Maurício
Tema também referenciado com o título *Tonecas e Marianela*

Minha mãe é pobrezinha 
Não tem nada que me dar
Dá-me beijos, coitadinha
E depois põe-se a chorar 


Tonecas e Marianela / Dois engraçados garotos
Foram sentar-se, os marotos / Por sob a minha janela

Nisto diz ele p'ra ela; Andas tão mal vestidinha!
Ando sim, mas não é minha / A culpa de andar assim
A vida está tão ruím

Minha mãe é pobrezinha 

Tu nunca andaste calçada! / Nunca tiveste sapatos!
Ela baixou os gaiatos / Olhitos, envergonhada
Tu nunca tiveste nada / Uma corda p'ra saltar
Um arco para brincar / Um tambor, muitas bonecas!

Minha mãezinha, Tonecas
Não tem nada p'ra me dar

Gostaria de saber / Porque nunca fôste à escola?

A gente p'ra pedir esmola / Não precisa saber ler!
Então onde vais comer? / A casa duma vizinha!
Vou lá pela manhãzinha / À noite vou lá também
E depois, a minha mãe

Dá-me beijos coitadinha 

Beijos são apenas beijos / Tu perdoa que te diga
Se não enchem a barriga / Não podem matar desejos!
Mas não sabem a sobejos / Têm outro paladar!
Sabem ao doce manjar / Dos mais ternos alimentos!
Minha mãe dá-mos aos centos 

E depois põe-se a chorar