- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu quis fazer de ti

Paco Gonzalez / Fernando Silva *alexandrino do concórdio*
Repertório de Nuno de Aguiar

Eu quis fazer de ti, no espelho do carinho
Um jardim de esperança em forma de paixão
Eu quis fazer de ti o meu melhor caminho
Que désse a luz da vida à minha solidão

Eu quis fazer de ti, na febre dos desejo
A loucura d’amor em risos d’alegria
Eu quis fazer de ti um poema de beijos
Nos sonhos mais bonitos da minha fantasia

Eu quis fazer de ti a voz da eternidade
Com fé de peregrino eu arrastei meus passos
Sedento de ternura, faminto de verdade
Eu quis fazer de ti abismo dos meus braços

Mas quando quis fazer o tema do meu fado
Na revolta infinita do meu amargo ser
As tuas mãos tremeram, não ficaste a meu lado
E o céu tornou-se noite p’ra nunca mais te ver