- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ódio de amor *ódio fatal*

João da Mata / Popular *fado corrido*
Repertório de Manuel de Almeida

Tenho-te um ódio fatal
E bem alto o vou jurar
Hás-de pagar todo o mal
Que me tens feito passar

Peço a Deus com devoção / Que te vejas sem carinhos
Arrastadinha p’lo chão / Como a erva dos caminhos

E Deus permita, Deus queira / Que p’la tua vida fora
Não encontres a maneira / De sossegar uma hora

Amor, não tenhas receio / Que isto foi desabafar
Tu sabes que eu não te odeio / Eu sei bem que hás-de voltar

Quando se gosta de alguém / O amor é cego e brutal
Se não te quisesse bem / Não te queria tanto mal
- - -
- -
-
Estas duas estrofes não foram gravadas mas 
fazem parte da letra original

Na dor forte em que mergulho
Hei-de atingir o meu fim
Destruindo o teu orgulho
P’ra que te lembres de mim

Num impulso abrasador
Fogo d’alma sempre aceso 
Lançarei o meu rancor
Por cima do teu desprezo