- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quando ele passa com ela

Carlos Conde / José António da Silva *fado bacalhau*
Repertório de Madalena de Oliveira

Quando ele passa com ela
Por sob a minha janela
Eu canto ou finjo cantar
Ele sorri, ela amua
Mas ao fim dobram a rua
E eu vou p'ra dentro a chorar

Dá-lhe o braço com ardor
Diz-lhe segredos de amor / Faz-se dela tão amigo
Que eu recordo tristemente
Todo aquele amor ardente / Que ele trocava comigo

Como por sina ruim
Moram defronte de mim / Vejo-os entrar e sair
Então sofro tanto, tanto
Que ali oculto o meu pranto / Na minha forma de rir

E rio, canto, gargalho
Porque nas mágoas que espalho / E me queimam como lume
Encubro ou tento encobrir
Na minha forma de rir / Tudo fere o meu ciúme

Mas a minha alma confia
Que mais dia menos dia / Ele há-de vir outra vez
E quando isso acontecer
Também lhe posso fazer / O mesmo que ela me fez