- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dona fortuna

Alberto Ribeiro / Frederico de Brito
Repertório de Alberto Ribeiro

Vocês já p’raí
Uma senhora importuna
Chamada fortuna, chamada fortuna
Que anda sempre acompanhada 
Doutra senhora mais forte         
Que se chama sorte, que se chama sorte

Nasceu na rua da fé 
E mora desde criança
No bairro da esperança, no bairro da esperança
E por mais que a gente fale
E por mais que a gente diga
Não liga, não liga, não liga, não liga

Pois se alguém a encontrar 
Era favor perguntar
Onde vive agora, onde é que ela mora
A fortuna, quando vem 
Nunca espera por ninguém
Chega só na hora, vai-se logo embora

Já disse a dona calúnia
Qe ela é filha do acaso
Mas não façam caso, não façam caso
Também há muito quem diga 
Que ela é irmã da cobiça
É uma injustiça, é uma injustiça  
                                                       
Que ela anda um pouco indiferente 
Co’a dona felicidade
É uma verdade, uma verdade
Há quem diga que o pudor
Quando ela passa, suspira
Mentira, mentira, mentira, mentira