- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.107.500 VISITAS /*/ ABRIL 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Ronda dos quatro elementos

Rosa Lobato Faria / Júlio Proença *fado esmeraldinha*
Repertório de Carlos Zel

Os meus lábios deslizam-te na pele
A murmurar palavras inventadas
E ombro e seio e pé e coxa e espádua
Ganham nomes de terra fecundada

Porém, se acaso a água nos possui
Já são corais as partes do teu corpo
E tens algas nos pés, conchas azuis
No ventre nas orelhas, no pescoço

Mas se é o fogo rubro que me exalta
E à sua língua ardente é que me inflamo
Busco na labareda o que me falta
E são de chama os nomes que te chamo

E quando, enfim, mais lento o ar me toca
E a dolente carícia me deleita
Trato por cotovia a tua boca
Chamo gaivota à tua mão direita