- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canto três

Júlio Pomar / António Vitorino d’Almeida
Repertório de Carlos do Carmo 

Pá… o amor é urgente
Não dêem cabo da gente / Do que temos de melhor
De que o Paredes dizia
Que era a própria poesia / Porém sem menção d’autor

E para mais quanto ao resto
Saia o gado sem cabresto / Dispensando-se  o preceito
D’evitar o trinta e um
Ó meu tens aí algum / E não digas bom proveito

A uma história esquisita
Na qual à Maria Rita / Uns dentinhos de pescada
Na boca do corpo dita
Vieram à dita confita / E a pobre amargurada

Nas noites desta Lisboa
As garinas numa boa / Pela Travessa da Palha
Olhos fechados a mundos
Vindos do fundo dos fundos / Daquela triste batalha

D’Alcácer Quibir, dou fé
Morremos todos de pé / Não digas à minha mãe
Varina da Madragoa
Que julga estar em Lisboa / Um presidente em Belém

E se o fim ela não vê
Pede ajuda ao Carlos Tê / Que não é parto sem dor
O disparate da vida
Uma história mas par’cida / Com desfecho hardcore