- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cega-rega

Cantata para uma velha só
Ary dos Santos / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Maria Armanda                    

Uma velha tinha um gato / Debaixo da cama o tinha
Uma velha tinha um velho / Debaixo da campa o tinha
Sape gato, bate papo / Com um sapo na caminha
Coitadinha, coitadinha da velhinha

Salta, pula, cata a pulga / Catapulta na cozinha
Foge o gato, morre o sapo / Viva o velho da velhinha
Velho morto, velho posto / A cozer na panelinha
Da velhinha com pézinhos de galinha

Lá vai a velha de lancheira e bengalinha
Levar ao morto o consolo da sopinha
Rega-lhe a campa com miúdos de galinha
E o defunto vai enchendo a barriguinha

Lá volta a velha regalada pel’alminha
A quem matou os seus desejos de galinha
E já que tem o gato morto na cozinha
Vai acender-lhe um fogareiro de sardinha

Uma velha tinha um gato / Debaixo da cama o tinha
Uma velha tinha um velho / Debaixo da campa o tinha
Sape gato, bateu papo / Com o velho na campinha
Coitadinha, coitadinha da velhinha