- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.200 LETRAS PUBLICADAS // 2.028.600 VISITAS // Janeiro 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

.

Lis… boa, Lis… má

Letra e musica de Daniel Gouveia
Repertório de José da Câmara
           
Lisboa, minha Lisboa / Às vezes boa, às vezes má
Dás abrigo a tanta gente / Que a gente sente não ser de cá

Lisboa, minha Lisboa / Teu fado soa a dor e saudade
E entre tanto pandemónio / Já é Património da Humanidade

Tens mil casinhas às cores
Jardins com flores
Da Cultura um Centro em Belém
Nos passeios há vidrão
Pilhão, papelão
E cocó de cão, também
Deslumbras com belas vistas
Milhões de turistas
Que comem pastéis de Belém
E azulejos tão bonitos 
Que uns selvagenzitos
Borram com grafitos, também

Lisboa, minha Lisboa / Às vezes boa, às vezes má
Parece que uma pessoa / Se sente à toa ao deus-dará

Lisboa, minha Lisboa / Fazes com que doa a nossa cabeça
Com mil carros em manobras / Buracos e obras em cada travessa

Tens Pessoa e os heterónimos
Até os Jerónimos
E a famosa Torre em Belém
Sem magalas nem sopeiras
Docas sem peixeiras
Mas com bebedeiras, também
Há por cá um Presidente
Que preside à gente 
E é residente em Belém
Mas num palácio em São Bento
Tens um Parlamento
Sem entendimento, também

Lisboa, minha Lisboa / Às vezes boa, às vezes má
Tanto contraste é a prova / De seres velha e nova
De há séculos pra cá

Qualidades e defeitos
São marcas, são jeitos de uma tradição
P’ra mim serás sempre boa
Lisboa, Lisboa do meu coração