- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arraial do Tejo

César de Oliveira / Ferrer Trindade
Repertório de Fernanda Maria 

Digam às varinas p'ra aprenderem as canções
Que Lisboa canta agora
Encham a canastra com arquinhos e balões
E vão p'la cidade fora

Trepem escadinhas que se fartam de subir
Gritem alto o seu pregão
Convidem o Tejo para vir
Porque ele gosta de sentir
Que è lisboeta até mais não

Lisboa canta no arraial popular
E tem o Tejo, seu par
O fadista namora as varinas
Lisboa canta, gosta de ver baloiçar
Balões brilhando
Que vão inundando as sete colinas


Vamos pôr festões junto da barra do farol
Em louvor dos três santinhos
Lisboa sem Tejo è como um dia sem ter sol
Nasceram os dois juntinhos

Se Lisboa está nesta maré de divertir
Não lhe estragem a função
Convidem o Tejo para vir
Porque ele gosta de sentir
Que è lisboeta até mais não