- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desastre

Manuela de Freitas / José Mário Branco
Repertório de Camané 

A pedra bateu na fachada / A casa ruiu
A onda varreu a amurada / Perdeu-se o navio

O lápis sujou-se na lama / Estragou o desenho
A jovem matou-se na cama / Ao lado de um estranho

O homem saltou p'la janela / Morreu na calçada
O grito soou na viela / Ninguém deu por nada

A faca apareceu na mão / O corpo caiu
O fogo abateu a prisão / Mas ninguém fugiu

A chave sumiu no tapete / A porta fechou
A sorte saiu no bilhete / Que ninguém comprou

O guarda soltou o ladrão / Prendeu o pedinte
A morto acordou em vão / No dia seguinte

O medo impediu a diferença / O sono não veio
No palco vazio a presença / Que ficou a meio

O sino tocou a rebate / A igreja ardeu
O pai pagou o resgate / O filho morreu

O mar levou muita gente / Ninguém foi ao fundo
O rato matou a serpente / Na selva mundo

São voltas e voltas da vida / A vida é assim
Às voltas nas voltas da vida / Que farei de mim