- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A deusa da minha rua

João Faraj / Newton Teixeira
Repertório de António Zambujo

A deusa da minha rua
Tem os olhos onde a lua
Costuma-se embriagar
Nos seus olhos eu suponho
Que o sol, num dourado sonho
Vai claridade buscar

Minha rua não tem graça
Mas quando por ela passa / Seu vulto que me seduz
Ah... ruazinha modesta
È uma paisagem de festa / È uma cascata de luz

Na rua uma poça d’água
Espelho da minha mágoa / Transporta o céu para o chão
Tal qual o chão da minha vida
Minha alma comovida / E o meu pobre coração

Espelho da minha mágoa
Meus olhos são poças d’água / Sonhando com seu olhar
Ela è tão rica e eu tão pobre
Eu sou plebeu e ela è nobre / Não vale a pena sonhar