- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vamos em frente

António laranjeira / Raul Ferrão *fado alcântara*
Repertório de António Laranjeira

Se neste fado há pressa num verso novo
Quisera levar ao povo, mais alegria
Em cada dia quando tudo recomeça
Alguém na vida tropeça, por ironia

Por esta hora ao resgatar o passado
Um sonho foi adiado, inutilmente
É no presente que alguém espera de nós
Escutar em alta voz, vamos em frente

Meu país eu não reconheço
Quem fala de ti sem nada dizer
É suspeito chamar-te de berço
Aqueles que cresceram sem nada saber
Minha voz que se junta à tua
E que te defende com o coração
Enquanto a nação flutua
O povo na rua não perde a razão

Se neste grito em fúria sem direcção
Aumenta a contradição nem mais um passo
Porque o espaço parece fugir ao tempo
E o nosso constrangimento é um cansaço

Por mais um dia a fervilhar de surpresas
Ponham as velas acesas rapidamente
É no presente que alguém espera de nós
Escutar em alta voz vamos em frente