- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gente do Ribatejo

João de Freitas / Jaime Santos *fado dos alamares*
Repertório de Fernanda Maria

Gosto de ver um homem de chapéu largo e samarra
Montando um alazão pelos campos fora
Que saiba em qualquer parte dedilhar uma guitarra
Cantando esta canção, tão sonhadora

E que sobre o chapéu posto a rigor, uma melena
Sobressaia porém como a dizer
Sou faia, sou audaz e com luar em noite amena
Sei amar, sei cantar e sei sofrer

No Ribatejo, banhado p'lo lindo Tejo
Onde o trigo é bagos d'oiro
No seu sol abençoado
Ai desta gente tão fervorosa e valente
Que sabe pegar um toiro
E sabe cantar o fado

Também gosto de ver sobre a lezíria cavalgando
De vara larga em riste, um bom campino
Beata presa ao lábio, sorridente vai cantando
Um fado que p’ra ele é mais que um hino

Enquanto o seu olhar de bom vigia segue atento
O gado que ali perto anda a pastar
E sob o sol que abrasa, seja á chuva, seja ao vento
É vê-lo sempre alegre a cavalgar