- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gato escaldado

Maria do Rosário Pedreira / Manuel Maria Marques *Marcha do Manuel Maria Marques*
A partir da fábula “O Pastor e o Lobo” de Esopo
Repertório de Aldina Duarte

Mais uma vez prometeste
Levar-me de braço dado
Por Alfama a passear
Eu esperei, tu não vieste
Ficou velho e desbotado
O vestido por estrear

Vezes sem conta juraste
Dançar comigo no baile / Ás portas da Mouraria
Eu fui, mas nunca chegaste
Sabem as pontas do xaile / Como chorei nesse dia

Vezes sem fim sugeriste
Ouvirmos fado juntinhos / Num beco do Bairro Alto
De todas elas mentiste
E eu gastei por maus caminhos / Os meus sapatos de salto

Hoje vens p'ra me propôr
Casarmos na Madragoa / Como sempre te pedi
Não pode ser, meu amor
Já sabe meia Lisboa / Que eu não acredito em ti