- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Duas Severas

João de Freitas / Nuno Meireles
Repertório de Fernanda Maria
 
Em tempos que já lá vão / Na Mouraria viveu
A Severa que á canção / Do fado mais vida deu

Imperou na fadistagem / E cantou em muita espera
E é prestando-lhe homenagem / Que hoje existe outra Severa

É na Severa que todos ouvem
Fado castiço á desgarrada
É na Severa que toda a gente
Passa contente, até madrugada
É na Severa que tem mais glória
Cantando a história do seu passado 
E é na Severa, nesse ambiente
Que a gente sente que o fado á fado 

Ninguém já o vê nas hortas / Nem nas esperas de gado
Em que ela deu horas mortas / Era sempre o desejado

Hoje as pessoas amigas / Já todas sabem de cor
Que na Severa as cantigas / Têm sempre mais sabor