- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cidade das três pontes

Vasco de Lima Couto / Jorge Barradas
Repertório de Vasco Rafael

Cidade presa ao mar, cidade presa ao rio
Aonde o meu olhar, amou o amor e o frio
Nas ruas que subiam, nas ruas que paravam
As cidades que eu fui, choravam

O quê, não sei dizer, pois tanto já pensei
Que a vida não quis ver o muito que deixei
A tua catedral marcou-me ao pé do céu
E por isso o meu sonho morreu

Cidade das três pontes paradas
Sobre esse coração ausente
Cidade feita em pedra e sonho de areal
Onde cada silêncio é o sal
Que dá um gosto lento á vida
E pergunta p’los barcos do mar
No desejo de ver a tua antiga idade
Mas tu já não respondes, cidade

Cidade onde eu achei a força de me dar
Jardins onde estudei com olhos de brincar
Nevoeiro a marcar o medo da distãncia
Nas frases de guardar a infãncia

Cidade de outra gente, futuro de outra cor
Angustia onde a semente cresceu, e não deu flor
Se volto, o que me assombra é sentir o regresso
Que me dói, e é uma sombra que eu peço