- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Cidade das três pontes

Vasco de Lima Couto / Jorge Barradas
Repertório de Vasco Rafael

Cidade presa ao mar, cidade presa ao rio
Aonde o meu olhar, amou o amor e o frio
Nas ruas que subiam, nas ruas que paravam
As cidades que eu fui, choravam

O quê, não sei dizer, pois tanto já pensei
Que a vida não quis ver o muito que deixei
A tua catedral marcou-me ao pé do céu
E por isso o meu sonho morreu

Cidade das três pontes paradas
Sobre esse coração ausente
Cidade feita em pedra e sonho de areal
Onde cada silêncio é o sal
Que dá um gosto lento á vida
E pergunta p’los barcos do mar
No desejo de ver a tua antiga idade
Mas tu já não respondes, cidade

Cidade onde eu achei a força de me dar
Jardins onde estudei com olhos de brincar
Nevoeiro a marcar o medo da distãncia
Nas frases de guardar a infãncia

Cidade de outra gente, futuro de outra cor
Angustia onde a semente cresceu, e não deu flor
Se volto, o que me assombra é sentir o regresso
Que me dói, e é uma sombra que eu peço