- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alcântara

Frutuoso França / Joaquim Campos *fado victória*
Intérprete: Frutuoso França


Ninguém julgue, ninguém pense
Que o bom povo alcantarense
Vive de modo ordinário
É tão digno de Jesus
Que tem a Rua da Cruz
E leva a cruz ao Calvário

Tem lá duas estrangeiras
Portuguesas verdadeiras / Na condição e no trato
Bairro pobre, mas bonito
Do princípio do Alvito / Ao fim do Prior do Crato

Pouca gente faz ideia
Do que seja a Triste Feia / Por julgá-la pobrezinha
Mas há lá tanta alegria
Que a Rua Maria Pia / Lhe estende a mão de rainha

Alcântara é bairro pobre
Mas tem título de nobre / Porque vive a trabalhar
Tem vida, cor, movimento
Do Fiúza ao Livramento / Do Sebeiro até ao mar

Alcântara, és bairro amado
Não tens luxo disfarçado / Trabalhas, ganhas o pão
E apenas porque trabalhas
O teu povo tem medalhas / Na palma de cada mão