- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O médico e a duquesa

Joaquim M. Teixeira / Frutuoso França
Repertório de Frutuoso França


Era um médico ilustre e inteligente
Que o povo humilde amava com prazer
E ele a todos queria meigamente
Salvando muita gente de morrer

Mas num dia fatal se apaixonou
P'la mais linda cliente, uma duquesa
Que dele escarneceu e assim falou:
Não lhe dou minha mão, sou da nobreza

Mais tarde a duquesa adoecia

E os grandes da ciência são chamados
Mas pertinaz doença a envolvia
Deixando os cirurgiões desanimados

Ela ao ver-se pior, desfalecida
Do seu médico antigo se lembrou
E esse jovem doutor salvou-lhe a vida
O que a muitos colegas espantou

Ela então ofereceu-lhe a sua mão
Para lhe pagar, altiva e sedutora
Mas teve uma tremenda decepção
Ouvindo esta resposta esmagadora


Se vós sois da nobreza, é por dever
Que assim me quereis pagar, mas, se me entende
Eu sou muito mais nobre, pode crer
Pois o amor duquesa não se vende