- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Zé grande

Carlos Conde / Raul Pereira *fado zé grande*
Repertório de Raúl Pereira

O Zé grande, um cocheiro de rotina

Muito embora vergado pela idade
Falou-me, agora mesmo, ali à esquina
Da Travessa do Poço da Cidade

Fiz praça, no Rossio, na Horta Seca
E andei, noites inteiras, com rambóias
Corri os arrabaldes, Seca e Meca
Com a melhores parelhas e tipóias

Levei muitos brasões fora de portas
Fadistas à abertura do bom vinho
Cantoras do S. Carlos, para as hortas
E coristas, p’ras ceias do Charquinho

Conduzi o Ginguinha e o Janota
Ao Zé da Basalisa, muita vez
Levei damas da alta, à Porcalhota
E ciganas, à Feira das Mercês

Depois de rebuscar algum dinheiro
Resolveu afogar uma saudade
E pediu três do lote ao carvoeiro
Da Travessa do Poço da Cidade