- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Lenda das algas

Laierth Neves / Jaime Mendes
Repertório de Celeste Rodrigues 

O mar espreguiçando-se na areia
Trouxe no seu espreguiçar
Algas envoltas em espuma
E quando à noite veio a maré cheia
Voltaram todas ao mar

Mas na praia ficou uma

Conta a lenda, que essa alga pequenina
Que o destino ali deixou

Tomou forma e tomou vida
E um pescador que cedo ali passou
Encontrou uma menina

Sobre a areia, adormecida

E quem passar pela cabana do pescador
Há-de sentir um não sei quê de nostalgia;
E aos seus ouvidos há-de chegar o rumor
Que tem do mar a estranha melancolia
E nessas notas doloridas e plangentes
Talvez não saibam quem é que está a escutar
Talvez um búzio a soluçar notas dolentes
Ou talvez seja eu sózinha a soluçar


O mar acompanhou-me desde então
Em noites de lua cheia

Quando é mais belo o luar
Uma saudade assalta o meu coração
E vou sentar-me na areia

A conversar com o mar

Em noites tempestuosas é medonho
O rugir forte das vagas

Que à praia vêm findar
A sua voz parece até cheia de pragas

Mas o mar volta ao seu sonho
Se eu venho à praia cantar