- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Drama de uma velhinha

Carlos Conde / João Maria dos Anjos
Repertório de Argentina Santos

Senhor Juíz... o meu filho
Não me bateu nem roubou
Com alguém já disse aqui;
Tropecei num impecilho
E ele até me levantou
No momento em que caí

Não tem profissão marcada
Mas na sua triste rota / Mal ou bem lá se governa
E nunca me exigiu nada
Para perder na batota / Ou p’ra gastar na taberna

É mentira o que se diz!
Este arranhão sem valor / A marcar o meu desgosto
Não chega a ser cicatriz
É uma ruga maior / Entre as rugas do meu rosto

Senhor juíz... eu sou mãe
E juro que o meu menino / Não me roubou nem bateu
O cadastro que ele tem
Traduz o negro destino / Da sorte que deus lhe deu

Neste conto se adivinha
Mercê de frases tão frias / O destino dum ladrão
E o drama de uma velhinha
Que passa todos os dias / A caminho da prisão