- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do cartaz


Manuel de Andrade / Alfredo Duarte *marcha do marceneiro*
Repertório de Joana Amendoeira

Numa tasca bem castiça
De paredes de caliça
Um cartaz se destacava
Foi uma grande toirada
Disse da mesa avinhada
Um campino que ali estava

De manhã o sol nascia
E já ao longe se ouvia / Os foguetes a estalar
Veio a tarde sorridente
Foi aos toiros toda a gente / Estava a praça a abarrotar

O Simão, alegre e vivo
Cravou seis ferros ao estribo / Num toiro dos de Bandeira
Mascarenhas, meia praça
Pega com a fina graça / Desse Marquês de Fronteira

Depois, o mestre João
Arrancou grande ovação / Com o seu novo tourear
E num toiro de Salgueiro
Foi Ricardo, o cernelheiro / Jorge Duque a rabejar

Quando o campino acabou
Toda a gente reparou / Que estava quase a chorar
Ficou na tasca castiça
Destacado entre a caliça / Um cartaz p’ra recordar