- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da carta

Amadeu do Vale / João Nobre
Repertório de Fernanda Batista

Mais uma carta te vou escrever, meu amor
P’ra tu veres que não estou farta de sofrer o teu rancor
Depois de a leres, rasga-a se queres, não me importa
Porque eu estou calma e sinto a alma quase morta

Rogo-te apenas que deixes essa mulher
Por quem eu sofro e tu penas e faz de ti o que quer
Vê com que anseio eu por ti ainda espero
Pois quanto mais eu te odeio, mais ainda eu te quero

Volta meu querido a este amor que trocaste
Por outro que encontraste e que acabou de perder
Volta meu querido p’ra eu te ver num instante
Que um só minuto é bastante p’ra eu deixar de sofrer

Tanto suplico o favor dum beijo teu
Que a tudo eu me sacrifico p’ra tu voltares a ser meu
Louco desejo, porque eu já vejo que antes queres
Viver com ela, p’ra seres daquela que preferes

Mas quando um dia se acabar essa ilusão
Desse amor que te sorria sobre uma falsa afeição
Enternecida abrirei de novo os laços
P’ra te prender toda a vida na cadeia dos meus braços

Ouve meu querido, vou terminar esta carta
Pedindo a Deus que ela parta em boa hora daqui
Adeus meus querido, recebe um beijo daquela
Que mesmo sem gostares dela, ainda gosta de ti