- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amar outra vez

Rosa Lobato Faria / Fernando Correia Martins
Repertório de Carlos Zel

Eu já te amei no Rossio, na pomba que esvoaçou
Aceitei o desafio de te amar onde não estou
Eu já te amei à partida numa pedrinha do cais
Se te amei na despedida
Ao voltar trago-te a vida, vou amar-te ainda mais


Amar uma mulher quando há luar
Rasgar as velas à claridade
Amar uma mulher ao pé do mar
Romper a espuma da tempestade;
Amar uma mulher se a chuva cai
Descer o rio, morrer à toa
É ter a lua, é ter o mar, é ter a chuva, é ser canoa
É ter uma mulher que faz lembrar Lisboa


Eu já te amei na viela, eu já te amei no jardim
Não sei que sombra era aquela que deitou luto por mim
Eu já te amei à noitinha quando o carmim se desfez
Quando ficaste sózinha
Mandei aquela andorinha e fui amar-te outra vez