- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O emigrante

Fernando Farinha / Raúl Ferrão
Repertório de Fernando Farinha

Entre lágrimas e lenços
Apita o barco no cais
Nele vai o emigrante
Até breve ou nunca mais

Leva sonhos colossais
Esperanças que arrasam montanhas
Fogo vivo nas entranhas e um coração a bater
Pronto a sofrer e a vencer lá nessas terras estranhas

Muitos anos vão andando / De sacríficios vivendo
E as saudades que vai tendo / Aos seus olhos aflorindo;
São gotas d'oiro caíndo / Nas cartas que vai escrevendo

Um dia, vem o regresso / Á pátria-mãe de seus pais
E tal como na partida / Apita o barco no cais

Agora não volta mais / Lutou, cumpriu e venceu
E Deus que tudo lhe deu / Também não lhe quis negar
A alegria de voltar / Ao cantinho onde nasceu