- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pequenas verdades

Letra e música de: Javier Limón
Repertório de Mariza

No meu deserto de água não havia luz para te olhar
Tive que roubar a lua para te poder iluminar
Quando iluminei o teu rosto fez-se dia no meu corpo
Enquanto eu te iluminava, minha alma nascia de novo

São as pequenas verdades

As que guiam o meu caminho
Verdades brancas como a manhã

Que abre a janela do nosso destino
Como o teu olhar quando tu me olhas
Como a tua lembrança depois de partires;
É verdade que a sombra do ar me queima
É verdade que sem ti morro de pena

Misteriosa era a tua boca, misterioso o meu lamento
Mas não sei se o nosso amor de primavera
Foi mentira, ou uma paixão verdadeira
Quando a solidão regresse, cega de amor irei até á morte
As verdades só existem pelos recantos da mente
Essa pequenas verdades que guiaram meu caminho