- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da viagem

António Lúcio Vieira / Paco Bandeira
Repertório de Margarida Bessa


Essa gente que se acende, que conversa com o gado
Que come pão amassado, com fermento de luar
Essa gente que me entende, sai de noite para a vida
Volta sem vida p’ro lar

Nasce como um Potro no cercado
Chora sem saber porque chorar
Compra uma navalha no mercado
A pensar que amanhã se irá vingar;
Bebe o vinho novo com prazer
Compra umas cabeças na Golegã
Diz que brevemente há-de chover
E que a miséria virá como a tercã

Parte a mondar arrozais e a boca sabe-lhe a lodo
Ama a charneca a seu modo, dorme com ela na eira
Essa gente que me entende, enfrenta a sorte ao nascer
E morre em dia de feira

Larga na lezíria a raiva antiga
E a raiva morre longe e não se arranca
Um dia vai perder sonhos e vida
E morrer duma cornada em Vila Franca;
Bebe o vinho novo com prazer
Compra umas cabeças na Golegã
Diz que brevemente há-de chover
E que a miséria virá como a tercã