- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O amor em cinco fados

José Guimarães / Jaime Santos *fado sevilha*

Um dia, por mim passou
Não contive os meus desejos;
Eu olhei e ela olhou
E o nosso amor começou
Com o Fado dos Três Beijos

Em nossa existência havia / Horas más, momentos bons
Ela tudo me escondia / Eu dizia o que sentia
Era o Fado dos Dois Tons

Como em nada acreditava / Começou nosso azedume
De tudo desconfiava / E o fogo que me queimava
Era o Fado do Ciúme

Em quezília começamos / Tudo mudou de sentido
Zangados nos separamos / E no adeus que trocamos
Cantei o Fado Corrido

Depois que se foi embora / Começou minha ansiedade
Tudo é solidão agora / E sózinho, a toda a hora
Canto o Fado da Saudade