- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das amendoeiras

Ary dos Santos / Fernando Tordo
Repertório de Carlos do Carmo

Era um rei da terra que cheira a luar
Da terra vermelha que tem a centelha do cheiro do mar
Terra amendoeira, terraço a sangrar
Albufeira dos barcos que pescam
Com a lamparina da luz a piscar
Era um rei que vivia na terra, deitado no mar

Era um rei que foi da Moirama lutar
À terra da neve que tem o silêncio que faz sufocar
País da princesa que no seu tear
Inventava a lenda da renda nos olhos
De amêndoa do amor por chegar
Da princesa bordando tristeza na orla do mar

É no sul que nos dói mais o sol
É ao sol que se vê o azul do Algarve
Que roda como um girassol
Girassol?...
Vá de braços, vá à pesca, não queremos braço mole
À aguadente chamamos figo
À verdade chamamos Aleixo
Que ainda é mais doce que um D.Rodrigo
D.Rodrigo?...
Não o matam que eu não deixo
O Aleixo é meu amigo

É o povo da maré que cheira a suor
E quer o rei queira ou não queira
Resiste num mar que é maior
O mar da traineira, mar do pescador
Este mar, amar desta maneira que é a força primeira
Do mar por amor
Este mar que morre na esteira de aquém e além dor