- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Geração anos 60

Manuel de Almeida / Alfredo Correeiro *marcha do correeiro*
Repertório de Carlos Zel
Vou descrever neste fado
Fado simples que alimenta
A saudade em que mergulho;
Um dia por mim passado
Isto nos anos sessenta
Geração de me orgulho

De manhã, tal como era
Da praxe, fui a uma espera / De toiros, e com firmeza
Saltei tronqueiras montadas
Nas ruas engalanadas / Da Sevilha portuguesa

Á tarde minh’alma arranca
Num desprezo p’lo revés / Nem á vida pedi contas
Na praça de Vila Franca
Entre palmas e olés / Lidei um novilho em pontas

Á noite *que burburinho*
Eu mais uma companheira / Numa adega, até ser dia
Entre canjirões de vinho
Cantei á minha maneira / O Corrido e o Mouraria

Cantigas, mulheres e toiros
São legendas, são tesoiros / Que eu a cantar recordei
Ó distante mocidade
Confesso sinto saudade / Desse dia que passei