- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Velho cantor

Letra e musica de Sérgio Godinho
Repeertório de Carlos do Carmo

Eu sei que o teu isqueiro é talvez de contrabando
E a chama dos teus olhos já quase não se vê
Mas serás tu que acenderás as velas, para quando
Cantarmos noite fora o *parabéns a você*

Não sei que aniversários outrora festejamos
Em noites de boémia e cabeça perdida
O certo é que passados os tumúltos, aqui estamos
Exepto alguns que a morte já levou de vencida

Velho cantor, foi também graças a ti
Que me fiz homem de cantar
Se a madrugada hoje me trouxe junto a ti
Foi para te abraçar

E tu, ferido da vida, por vielas trespassado
Olhando p'ro abismo que outros chamam miradouro
Permite que te lembre que cantavas bem o fado
E no fim gargalhavas mostrando um dente de oiro

Teu fado era feito p'ra se ouvir de muito perto
E eu arregalava os meus espantos de criança
Um peixe dentro de água, não estaria mais liberto
Por isso hoje navego com o teu leme na lembrança