- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aqui dentro do fado

José Santos / Vital d' Assunção
Repertório de José Manuel Castro

Aqui dentro do fado é que te encontro
Como asa ou lamina cortante
Enquanto te construo debruçado
Ao som desta guitarra vou cantado

Aqui dentro do fado h
á a memória

Das aves que partiram ou tombaram
Ou um punhal no corpo derramado
Ou a saudade de todos que ficaram

Aqui dentro do fado ardem os dias
E as noites, com seus fantasmas de vento
A lama que trazemos do passado
A chuva que nos rói como alimento

Aqui dentro do fado h
á um rio solto

Que por dentro de mim finge que corre
No beijo que te dou estou adiado
E o meu amor por ti, meu amor morre