- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado maestro

Fernando Tordo / António Victorino de Almeida
Repertório de Carlos do Carmo

Pela manhã vi como dormem os silêncios
Nesse sono intranquilo, invulgar, feito de tantos cuidados
E na ternura do meu quarto da loucura
Faço um fado de três tempos, andamentos acordados

Visto a vontade, saio à rua, já é tarde
Estou em mim ou na cidade?
Será que o tempo parou?


Mas só agora é que eu tenho a luz do dia
Sou a manhã da tarde em que a noite se fez
Pois só agora é que a voz me faz sentido
Canto e já não estou perdido, por ser de noite

Pela manhã vi como dormem os silêncios
Nesse sono intranquilo, invulgar, feito de tantos cuidados
E na inocência do meu quarto da demência
Faço um fado de três tempos, andamentos acordados

Visto a vontade, saio à rua, já é tarde
Estou em mim ou na cidade?
Será que o tempo parou?
Procuro o sol da meia-noite desta tarde
Sou do fado ou da cidade?
Ou apenas de onde estou?

Chegou a hora de contar a luz do dia
Pelo relógio das horas que o fado fez
Pois só agora é que a voz me faz sentido
No meu tempo desmedido por ser da noite


Já está na hora de cantar a luz do dia
Pelo relógio da noite que o fado fez
Chegou a hora desta voz fazer sentido
Sou do fado ou estou perdido
Noite outra vez