- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Andei á tua procura

Artur Ribeiro / Pedro Rodrigues *fado pedro rodrigues*
Repertório de Filipe Duarte

Andei à tua procura 
Perdido na noite escura
Pelas ruas da cidade
E em cada mulher que vi
Não te encontrei mas senti
Aumentar esta saudade

Fui de porta em porta a esmo
Chorei e ri de mim mesmo / 
Como quem perde a razão
Aos outros não disse nada
Só às pedras da calçada / 
Abri o meu coração

As ruas onde passámos
Os jardins onde andámos / 
Os lugares onde te vi
Na minha mente cansada
Tudo ri à gargalhada / 
Ao ver-me chorar por ti

Andei a tua procura
Voltei louco de amargura / 
Daquela paixão perdida
Mas se entrares aquela porta
Do resto nada me importa / 
Pois volta contigo a vida