- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Fado marialva

Fernando Santos e Almeida Amaral / Jaime Mendes
Versão do repertório de Carlos Ramos
-
Criação de Estevão Amarante na revista *Fora dos eixos*
Teatro Avenida 1943
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção
-
Portugal desde menino
Foi cavaleiro e campino / Deu cartas como caução
A cavalo, venceu moiros
A cavalo picou toiros / Foi decidido e pimpão

A nossa história 
É toda de lés a lés
Uma vitória 
Do ginete português

Eu cá p'ra mim
Não há, oh não
Maior prazer do que o selim e a mulher
Rédeas na mão
Sorrir, amar
Trotar, esquecer e digam lá se isto é descer


Rapaziada de agora
Voltem à bota e à espora / Com orgulho e altivez
Deixem as coisas modernas
Arranjem força nas pernas / Montar é que é português

Quem anda ao trote 
Em cima dum bom alter
Leva no bote 
A mais difícil mulher


A maioria das pessoas associa, sempre e só, Vicente da Câmara a este fado. 

Porém, à semelhança de «O Fado Antigo é Meu Amigo», este notável fadista foi recuperar
um êxito de Estêvão Amarante, provavelmente ouvido em disco e não em palco
pois em 1943 Vicente da Câmara não tinha idade para ir ao teatro de revista
com os seus viçosos 15 anos de idade.

Hoje, este fado estará sob a acusação de machismo e marialvismo
mas não há dúvida de que teve – e tem – força e casticismo fadísticos de sobejo.