- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das bocas *o morcãozinho*

Joaquim Pessoa / Fernando Tordo
Repertório de Zélia Lopes

Diz-se em Lisboa: antes morto que do Porto
Mas os do Porto aguentam bem a bronca
E respondem á farronca;
Ouve lá... oh morcãozinho
Se tu és lá de Lisboa

Não deves ser coisa boa

Queres saber onde o canário baixa a bola?... é na gaiola!
Afinal o que ele pretende é mais alpista... está bem á vista
De tanto coçar as penas p
or comichão ou inveja
Este canário compara o cú, c
'oa feira de Beja

Troca o dito por não dito e ao fim e ao cabo, nem o diabo

Se lembrava de dizer por brincadeira, tamanha asneira
Por muito que se resmungue, lá volta a boca de novo
Este canário confunde o
poleiro, com o ovo