- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

À beira Tejo

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório do autor


À beira Tejo, uma gaivota abandonada
Traz o desejo de encontrar sua morada
Fresca maresia, v
erde prata, maré alta
Onde a lusia, inspiração amor exalta
Redes ao mar, esperança no ar
Buscamos sorte
Na proa erguido, um Cristo amigo

Afasta a morte
Sei que este mar

Pode acalmar ou estar bravio
Posto o afago

Um quente trago aquece o frio;
Viver do mar dá que pensar

É dura lida
Vida que o peixe deixa na rede

P'ra nossa vida
à beira Tejo e
rgue-se a noite de mansinho
Roubado o beijo, d
á-lhe o sol breve carinho
No seu poente, h
á a promessa doutro beijo
E a gente sente c
omo o ciúme agita o Tejo