- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Magia do fado

Artur Soares Pereira / António dos Santos e Manuel Maria Rodrigues
Repertório de Bruno Igrejas

P’ra conhecer a magia
Do fado, tal como ele era
No seu tempo mais famoso
Fui até à Mouraria
Esse bairro onde a Severa
Cantava p’ró Vimioso

Mas a canção bem amada
Disse-me gente de bem / Há muito de lá saíu
Fora de casa mudada
Não disse adeus a ninguém / E ninguém se despediu

Fiquei a temer que a fama
Do fado, andasse sem norte / Perdida p’ra aí à toa
Fui procurá-lo em Alfama
Não o vi e a mesma sorte / Eu tive na Madragoa

Com o peito em sobressalto
A cidade eu palmilhei / E após tanta canseira
Fui até ao Bairro Alto
E aí o fado encontrei / Vestindo de outra maneira

E ante o que escutei e vi
Naquele bairro afamado / Uma certeza ficou
O fado que aí ouvi
É bem diferente do fado / Que a Mouraria cantou