- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As palavras que me dizes

Fernando Gomes dos Santos / Alfredo Duarte *menor-versículo*
Repertório de Liliana Martins 

As palavras que me dizes / dia a dia 
São no meu corpo um cinzel / que tudo corta
Suavizando as cicatrizes / por magia
Que há muito trago na pele / quase morta

São palavras tão serenas / demoradas
Que me amainam temporais / plenos de gritos
Esqueço nelas minhas penas / derramadas
Meus pecados capitais / mais que infinitos

São palavras que alimentam / de carinho
A minh’alma endurecida / em desatino
Tão ardentes que me inventam / no caminho
Sede p’ra beber a vida / e ter destino

São palavras indecentes / que me atiras
Que devolvo sem pudor / num louco arpejo
Entre carícias ardentes / tu deliras
No meu ventre feito amor / nasce desejo

Neste meu peito onde cravas / quais raízes
Carícias firmes e ternas / com fervor
Guardo todas as palavras / que me dizes 
Como dádivas eternas / de um amor