- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Rua deserta

Hélder Moutinho / Frederico Pereira
Repertório de Hélder Moutinho

Naquela rua deserta
Onde a esperança se revela
Numa constante ilusão
Há uma porta entreaberta
Ao lado de uma janela
Onde mora a solidão

As pedras negras da rua
Revelam que a madrugada / Serve a sorte e o desejo
Sob a candeia da lua
Vê-se uma boca fechada / No labirinto de um beijo

Os sonhos desvanecidos
Perdidos na desventura / Das obras ébrias, tardias
São presentes proibidos
À espera de uma ternura / Que morre todos os dias

Ao fim da tarde, uma estrela
Surge tão pausadamente / Que nem pede para ficar
Quase ninguém dá por ela
Saudade que não se sente / Já não se pode matar

Na esquina bate o passado
E os versos de uma quimera / Contam a história de alguém
Melancolia de um fado
Nascido na primavera / Mas não sabe de ninguém

Naquela morada incerta
Ao bairro da solidão / Luz vermelha da cidade
Há uma porta entreaberta
Onde se perde a razão / P’ra se morrer de saudade